Soldados e milícias filiadas ao governo da Líbia tentaram retomar o controle de uma base militar ocupada por um atirador em Tripoli, capital do país, deixando quatro pessoas mortas e 13 feridas neste sábado, dia seguinte a um ataque das milícias contra manifestantes no país.

A milícia que participou da ofensiva é da cidade de Misrata e concordou em não entrar na base, mas depois homens pegaram armas e munição da base e saíram para a periferia da cidade. Tripoli está em caos desde ontem quando outros milicianos de Misrata atacaram uma manifestação pacífica pelo desarmamento dos grupos armados espalhados pelo país. Segundo o Ministério do Interior, 43 pessoas morreram e 400 ficaram feridas.

No momento do ataque, dezenas de milhares de líbios participavam da maior mobilização popular contra as milícias desde 2011, quando ocorreu o assassinato do então ditador Muamar Kadafi. As milícias que ajudaram a derrubar Kadafi saíram de controle nos meses seguintes à deposição de Kadafi e minaram sucessivos governos de transição na Líbia. O governo tem tentado incorporar as milícias na polícia ou no exército, sem sucesso.

Hoje, o primeiro-ministro Ali Zidan pediu as milícias de fora da capital que evitem entrar na cidade, advertindo para o risco de mais uma batalha sangrenta. Um forte esquema de segurança foi armado na capital para as procissões que irão enterrar os mortos na ofensiva de ontem. Fonte: Associated Press.