O acordo de cessar-fogo entre rebeldes sírios e as forças do governo foi quebrado na manhã desta sábado. Os aliados do governo retomaram os ataques com morteiros e foguetes na cidade de Zabadani, controlada pelos rebeldes, segundo ativistas e representantes da oposição. Cerca de uma hora depois, rebeldes de duas cidades xiitas no nordeste da Síria, controladas pelo governo, reiniciaram os ataques.

A trégua, intermediada pelo Irã, durava três dias e era observada em diversas cidades. As negociações não tiveram sucesso por causa da insistência do Irã de que os rebeldes e moradores deixassem a cidade de Zabadani e os arredores de cidades sunitas próximas da fronteira com o Líbano, afirmou Baraa Halaq, porta-voz do maior grupo rebelde envolvido nos confrontos, o Ahrar Al-Sham. Em troca, os grupos ligados ao governo deveriam deixar as cidades de Fu’a e Kafarya.

“Era uma tentativa de modificar a demografia da região, com o objetivo de dividir o país”, disse Halaq. “Mas nossa delegação recusa todas as tentativas de divisão”, completou.

O cessar-fogo era visto como uma oportunidade para o Irã se estabelecer como um mediador internacional nos esforços para encerrar a guerra na Síria, logo após o importante marco do acordo nuclear com os Estados Unidos e cinco outras potências mundiais. A mídia iraniana afirma que o governo de Teerã pretende apresentar um plano à Organização das Nações Unidas (ONU) para acabar com o conflito. Fonte: Dow Jones Newswires.