Dois alemães convertidos ao Islamismo e dois turcos foram condenados hoje por um fracassado plano de 2007 para atingir alvos dos Estados Unidos na Alemanha. Eles receberam sentenças de até 12 anos.

O quarteto operava como uma célula alemã do grupo radical União da Jihad Islâmica. Eles planejavam ataques com bombas contra cidadãos e instalações norte-americanos, incluindo a base da Força Aérea de Ramstein, na Alemanha, segundo a corte estadual de Dusseldorf.

Os alemães Fritz Gelowicz, de 30 anos, e Daniel Schneider, de 24, além do turco Adem Yilmaz, de 31, foram condenados por pertencerem a uma organização terrorista. Já o turco Attila Selek, de 25, foi punido por apoiar uma organização terrorista. Os quatro foram condenados por preparar explosivos. O quarteto confessou os crimes durante o julgamento, iniciado em abril. Gelowicz e Schneider foram sentenciados a 12 anos de prisão, Yilmaz a 11 e Selek, a cinco.

O objetivo dos quatro era atacar norte-americanos em pubs, discotecas e outros lugares públicos. Além disso, queriam influenciar o Parlamento alemão em sua decisão de outubro de 2007 sobre a extensão da campanha militar alemã no Afeganistão, segundo a corte.

A célula alemã estocou 730 quilos de peróxido de hidrogênio bastante concentrado. Misturado a outras substâncias, esse componente poderia gerar até 550 quilos de explosivos, segundo funcionários alemães. O serviço de inteligência norte-americano colaborou na investigação.

Autoridades alemãs estavam monitorando o grupo e substituíram o peróxido de hidrogênio por uma substância diluída que não poderia gerar uma bomba. O quarteto foi preso em 4 de setembro de 2007. A Turquia prendeu Selek em novembro de 2007 e depois o extraditou para a Alemanha.