O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, informou esta tarde que o Brasil deverá acertar com os Estados Unidos uma operação conjunta de ajuda à população do Haiti atingida pelo terremoto. Em entrevista no Palácio do Itamaraty, em Brasília, Amorim disse que a diplomacia brasileira está em contato com o governo dos EUA e também com as Nações Unidas.

O chanceler brasileiro disse que hoje ou amanhã deverá falar com a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, que neste momento está em viagem pela Ásia. Amorim informou os EUA já “disponibilizaram alguns equipamentos” para serem enviados ao Haiti.

O ministro das Relações Exteriores disse acreditar que será reforçada a intenção da comunidade internacional na ajuda ao Haiti, depois do terremoto: “Confio que a comunidade internacional vai continuar atuando de maneira mais forte ainda.”

Amorim reconheceu que o momento requer atenção especial, inclusive porque prisões foram destruídas no Haiti. “É claro que, no curto prazo, teremos mais dificuldades”, previu. Mas reiterou que acredita que a solidariedade internacional com os haitianos será forte.

O ministro informou que foi montado, em Brasília, na sede da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), um “gabinete da crise”, comandado pelo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, general Jorge Félix.

Nessa reunião, segundo o chanceler, deverá ser definido o que transportarão cada um dos oito aviões que a Forças Aérea Brasileira (FAB) pôs à disposição para serem utilizados na operação de ajuda ao Haiti.