O presidente da Amtrak, Joseph Boardman, afirmou em carta que a empresa está cooperando para a investigação do acidente de trem que deixou oito mortos e mais de 200 feridos nesta semana na Filadélfia. Segundo ele, a empresa assume “total responsabilidade” no caso.

Investigadores federais dos EUA estavam tentando descobrir o motivo de o trem ter acelerado no último minuto antes de descarrilar. A composição estava acima do dobro da velocidade permitida, no momento do acidente. Até agora, os investigadores não encontraram problemas no trilho, na sinalização ou na locomotiva, e o trem estava no horário previsto.

Em carta no blog oficial da empresa, Boardman lamentou as mortes e disse que a empresa assume a responsabilidade e lamenta profundamente o acidente.

O engenheiro Brandon Bostian, de 32 anos, estava no controle do trem. Autoridades da Filadélfia disseram que estão investigando o caso, para depois decidir se apresentam alguma acusação. O advogado de Bostian, Robert Goggin, disse à rede ABC News que seu cliente teve uma concussão, precisou tomar 15 pontos na cabeça e não tem lembranças do momento do acidente.

O advogado também afirmou que o cliente não estava ao celular, nem havia bebido ou usado drogas no dia do acidente. “Ele se lembra de ir para a curva, de tentar reduzir a velocidade e então apagar”, disse Goggin. Segundo o advogado, o cliente está cooperando totalmente com a polícia e disse tudo o que sabia, concordando imediatamente em fazer um exame de sangue e entregar o celular para averiguação.

Na quinta-feira, 43 pessoas ainda estavam hospitalizadas, sendo que seis delas em estado grave. Os médicos esperam, porém, que todas se recuperem.

A Amtrak informou que serviços limitados de trem entre a Filadélfia e Nova York devem ser retomados na segunda-feira, com o serviço normalizado na terça-feira. A Amtrak leva 11,6 milhões de passageiros ao ano no Corredor Nordeste, via que fica entre Washington e Boston. Fonte: Associated Press.