Um navio líbio que transporta ajuda humanitária aos palestinos da Faixa de Gaza chegou ao porto egípcio de El-Arish nesta quarta-feira, depois de ter sido interceptado pela Marinha de Israel. O curso da embarcação foi desviado após ameaças dos militares israelenses caso a missão quisesse furar o bloqueio imposto ao território palestino.

Um funcionário do governo do Egito disse que o Amalthea, o barco líbio, chegou a El-Arish, cidade portuária egípcia ao sul da fronteira com Gaza, e começaria a descarregar os suprimentos. “Itens médicos e passageiros entrarão em Gaza através da passagem de Rafah, enquanto os alimentos entrarão por Awja”, disse o capitão Gamal Abdel Maqsoud, responsável pelo porto. Segundo ele, o Crescente Vermelho egípcio levará o carregamento a Gaza.

Ontem, a Marinha israelense interceptou o navio e ameaçou o atacar caso tentasse chegar a Gaza, mas os organizadores da missão insistiram em que rumariam para o território palestino mesmo assim. Em meio a versões conflitantes, aumentaram os temores de que poderia haver um conflito como o ocorrido no fim de maio entre militares de Israel e ativistas de uma flotilha turca, quando nove civis foram mortos pelos militares israelenses.

Hoje, porém, militares israelenses disseram que o capitão do Amalthea concordou em alterar a rota para El-Arish, onde os suprimentos seriam descarregados. Testemunhas a bordo do navio disseram que barcos de guerra de Israel impediam a realização de manobras que levassem a Gaza.

Youssef Sawani, diretor da fundação organizadora da viagem do navio, liderada pelo filho do líder líbio Muamar Kadafi, confirmou que o rumo da missão foi alterado por razões de segurança. “Seria inaceitável entrar em confronto e arriscar um derramamento de sangue. O objetivo do Amalthea foi alcançado sem violência e o resultado são ganhos para os palestinos de Gaza”, disse. As informações são de agências internacionais.