A Argentina sofreu dois novos tremores de terra nesta segunda-feira, informou o Instituto Nacional de Prevenção Sísmica (Inpres). O primeiro, ocorrido às 10h53 locais, com epicentro a 27 quilômetros de Salta, capital da província de mesmo nome, teve magnitude de 3,5. O segundo, às 11h23, ocorreu na mesma direção, com apenas sete quilômetros de diferença para o anterior, com intensidade de 3,1 na escala Mercalli.

Não há informações iniciais sobre vítimas nem danos materiais. Contudo, a Argentina está sob alerta dos especialistas. Eles temem que, em algum momento no decorrer dos próximos dez anos, o país possa sofrer um terremoto tão destruidor quanto o que arrasou o Chile em fevereiro.

“Não é possível determinar a data, muito menos o horário. Mas, pelos movimentos das placas tectônicas, é possível estimar que a Argentina poderia sofrer um terremoto tão intenso quanto o do Chile”, avaliou o diretor do Inpres, Alejandro Giuliano.

De acordo com ele, as áreas de maior perigo se encontram no centro e oeste do país, nas províncias que fazem fronteira com o Chile, como Jujuy, Salta, San Juan, Mendoza, La Rioja, Catamarca e outras.