O Estado do Arizona (EUA) informou que vai contestar nos tribunais a decisão de uma juíza federal norte-americana, Susan Bolton, que ontem suspendeu vários pontos polêmicos da nova lei de imigração estadual, que passou a valer hoje. A governadora do Arizona, Jan Brewer (Partido Republicano), disse que a decisão de Bolton foi um “solavanco na estrada”.

Paul Senseman, porta-voz de Brewer, disse que o Estado entrará com o pedido de apelação na 9ª Corte de Apelações dos Estados Unidos, em San Francisco, na noite de hoje. O objetivo da medida será derrubar os vetos que Bolton fez às partes mais polêmicas da lei, como a possibilidade de checagem do status imigratório de um pessoa pelos policiais enquanto estivessem no cumprimento de outras leis.

Com uma longa fronteira com o México, o Arizona é um dos epicentros da imigração ilegal no país, com mais de 400 mil residentes não documentados. A fronteira é usada também por contrabandistas e traficantes de drogas. O governo estadual afirma que a imigração ilegal consome dinheiro público com hospitais, educação e outros serviços.

O Departamento de Justiça dos EUA argumentou nos tribunais que a lei estadual do Arizona é inconstitucional, e abriria precedente para que outros estados também desenvolvessem legislação sobre o tema, acarretando uma proliferação de leis sobre a imigração no país inteiro. Além disso, argumenta o departamento, interromperia uma abordagem sobre a questão que está sendo conduzida no Congresso.