Atiradores mascarados abriram fogo contra o ônibus do time de críquete do Sri Lanka em Lahore, leste do Paquistão, matando pelo menos oito pessoas e ferindo seis integrantes da equipe. Segundo a polícia, cerca de 12 homens armados atacaram o comboio do time próximo ao estádio Gaddafi, utilizando foguetes, granadas de mão e armas automáticas. O chefe da polícia de Lahore, Habib-ur Rehman, disse que o grupo entrou em combate contra as forças de segurança durante 25 minutos.

“Eles pareciam terroristas bem treinados”, afirmou Rehman. Uma fonte da polícia informou que dois civis e seis policiais morreram no ataque, que ocorreu quando o time se dirigia para o terceiro dia de um amistoso contra o Paquistão. As imagens da televisão mostraram vários homens armados esgueirando-se entre árvores, agachando-se para disparar as armas e correndo para o próximo alvo.

Especialistas em segurança paquistaneses desativaram um carro-bomba no local do ataque e outro próximo ao estacionamento, segundo o inspetor da unidade antibombas da polícia, Abdul Ghafoor. Também foi encontrado um esconderijo de armas. As autoridades paquistanesas não deram detalhes sobre o destino dos atiradores.

O presidente do Sri Lanka, Mahinda Rajapakse, que estava em visita oficial ao Nepal, enviou uma mensagem condenando o incidente como “um ataque terrorista covarde”. Colombo despachou ao Paquistão o ministro de Relações Exteriores, Rohitha Bogollagama. O governo do Sri Lanka realiza uma grande ofensiva contra o grupo rebelde separatista Tigre Tâmil, no nordeste da ilha.

A Índia manifestou consternação com o atentado. “Os terroristas baseados no Paquistão são uma ameaça para todo o mundo”, disse um porta-voz da chancelaria indiana. “O governo paquistanês deve tomar medidas significativas para desmantelar a infraestrutura do terrorismo.” Nenhum grupo assumiu a autoria do ataque. As informações são da Dow Jones.