A explosão de uma bomba perto de um ônibus da polícia deixou dezesseis feridos na Turquia nesta quinta-feira. O incidente ocorreu no momento em que o veículo trafegava pelo centro de Istambul, segundo a agência de notícias Anatólia. Dos dezesseis feridos, quinze são policiais e a bomba foi acionada por controle remoto, disse a polícia. O governador de Istambul, Huseyin Avni Mutlu, disse que nenhum dos feridos está em situação crítica. Ele disse que a bomba foi montada com explosivos plásticos e instalada em uma moto.

A explosão ocorreu próximo aos escritórios do governista Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), de acordo com o canal de notícias privado NTV. Não houve reivindicação pelo ataque, embora grupos curdos e islamitas sejam ativos em Istambul. “Nós nunca nos curvaremos a esses ataques”, disse o primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan, do AKP. “Continuaremos nossa luta contra o terrorismo e os culpados serão levados à Justiça”, afirmou.

A explosão desta quinta-feira ocorre em meio a uma escalada nos pedidos dos curdos turcos por maior autonomia no sudeste do país, onde são a etnia majoritária. A polícia turca desfechou recentemente uma onda de repressão ao Partido dos trabalhadores do Curdistão (PKK, na sigla em curdo). Já o PKK alertou que a Turquia enfrentará mais violência se não interromper suas ofensivas militares contra os insurgentes. O PKK tomou armas contra o governo turco em 1984 e dezenas de milhares de pessoas já foram mortas no conflito. O PKK é considerado uma organização terrorista pela Turquia, União Europeia e Estados Unidos.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.