O Exército da Argélia matou sete militantes islâmicos durante um ataque a uma base secreta nas montanhas perto da capital na sexta-feira (27), revelou nesta segunda-feira (2) uma autoridade da área de segurança. Os militantes faziam parte de uma ramificação da Al-Qaeda no norte da África, que se aliou à rede terrorista liderada por Osama Bin Laden em 2006.

A autoridade afirmou, sob condição de anonimato, que o Exército foi levado até o local por membros do grupo presos na semana anterior em Blida, cerca de 80 quilômetros ao sul da capital Argel. De acordo com a autoridade, mais de 10 rifles automáticos foram apreendidos durante a operação.

Desde agosto do ano passado, os esforços de segurança têm crescido no país, quando o grupo assumiu a responsabilidade por uma série de ataques suicidas que causaram mais de 100 mortes. O ministro do Interior, Yazid Zerhouni, anunciou neste fim de semana que forças de segurança da Argélia mataram 120 militantes islâmicos e prenderam outros 322 nos últimos seis meses. Segundo ele, os esforços de segurança serão intensificados antes da eleição presidencial de 9 de abril.