O presidente da França, François Hollande, elevou o alerta antiterrorismo para o nível mais alto após o ataque à revista satírica que deixou pelo menos 12 mortos nesta quarta-feira (7) em Paris.

Hollande, que se dirigiu ao local do ataque, declarou que a ação foi um ataque terrorista e afirmou que quatro feridos estão “entre a vida e a morte” após homens mascarados terem invadido o local e realizado disparos com rifles AK-47. O presidente disse também que policiais estão entre as vítimas e declarou que vários ataques terroristas foram evitados no país nas últimas semanas.

As 12 mortes foram confirmadas por Xavier Castaing, chefe de comunicação da polícia de Paris. Além das vítimas fatais, Cerca de 20 teriam ficado feridas, incluindo três policiais.

Um usuário do Twitter postou uma imagem que registra o estrago causado na janela de um prédio próximo. (Foto: Reprodução)

A publicação semanal é alvo de várias ameaças por causa da publicação de caricaturas do profeta Maomé e de outros desenhos controversos.

Em 2011 houve um incêndio no escritório da revista horas antes de uma edição especial da publicação semanal com o profeta Maomé ir às bancas. A representação de Maomé é inaceitável para os muçulmanos.

Segundo Luc Poignard, funcionário do sindicato dos policiais de Paris, os homens que realizaram o ataque deixaram o local em dois veículos.

A jornalista Elise Barthet, do “Le Monde”, mostrou uma foto na qual os atiradores aparecem supostamente ameaçando policiais, que teriam recuado.

Atiradores aparecem supostamente ameaçando policiais, que teriam recuado. (Foto: Divulgação)

Um vídeo foi divulgado no site YouTube, registrando o momento em que os dois terroristas atiram em uma pessoa e fogem.