Já chega a 37 o número de mortos no atentado terrorista na praia de Sousse, na Tunísia, conhecida região de resorts, nesta sexta-feira. Mais de 36 pessoas ficaram feridas. A maioria das vítimas eram turistas europeus da Alemanha, Inglaterra e Bélgica .

O ataque, considerado o pior da história do país, ocorreu apenas alguns meses depois de um atentado no museu nacional do Bardo, na capital, Túnis, que matou 22 pessoas, na maioria turistas.

O presidente da Tunísia, Beji Caid Essebsi, afirmou que “mais uma vez, mãos covardes e traidoras atacaram a Tunísia, atingindo sua segurança e a segurança de crianças e turistas”.

Essebsi prometeu tomar medidas “doloridas mas necessárias” e acrescentou: “Nenhum país está livre do terrorismo e precisamos de uma estratégia global de todos os países democráticos”.

O secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Philip Hammond, afirma que pelo menos cinco britânicos foram mortos, mas os números devem aumentar, pois acredita-se que mais vítimas eram do Reino Unido.

O ataque começou na praia de Sousse, de acordo com turistas, que, de início acreditavam estar ouvindo barulhos de fogos de artifício. No entanto, ao se darem conta que eram tiros, correram da praia para o interior dos hotéis, trancando-se nos quartos com portas e armários. Um vídeo divulgou cenas dos momentos após o tiroteio, com médicos carregando corpos com roupas de praia em macas. Fonte: Associated Press.