Pelo menos 16 pessoas morreram quando forças americanas e afegãs atacaram uma remota aldeia nas montanhas do nordeste do Afeganistão depois de terem recebido informações de que um "senhor da guerra" renegado estaria na região, informou nesta segunda (7) o governador da província de Nuristão, Tamim Nuristani.

De acordo com ele, as forças americanas e afegãs acreditavam que o "senhor da guerra" Gulbuddin Hekmatyar, um ex-primeiro-ministro que aliou-se, mais tarde, à milícia fundamentalista islâmica Taleban e à rede extremista Al-Qaeda, estava reunido com um importante assessor em Dohabi, um distrito de Nuristão.

A ofensiva ocorreu no domingo (6) e, segundo o governador, envolveu também ataques aéreos. Além do Dohabi, também foram atacadas as aldeias de Shok e Kendal. O presidente da Assembléia Legislativa de Nuristão, Rahmatullah Rashid, disse que 19 pessoas morreram, todas civis, sendo seis crianças, cinco mulheres e oito homens. Para Nuristani, "ainda é cedo para dizer" se há civis entre os mortos. Segundo ele, a versão sobre 16 mortes foi divulgada por policiais que visitaram os locais depois dos ataques.