Dois ataques aéreos liderados pela Arábia Saudita atingiram um grupo de civis no Iêmen nesta quarta-feira, matando pelo menos 31 pessoas, segundo autoridades médicas locais. Quando foi atingido, o grupo tentava fugir do conflito, iniciado há três meses.

Os dois ataques atingiram um comboio de veículos, que incluía homens, mulheres e crianças. Eles fugiam para o norte do sul da cidade de Áden, que tem sido palco de intensos confrontos nos últimos meses. Os médicos descreveram uma cena de carnificina, com partes de corpos espalhadas por toda a rodovia e veículos carbonizados.

Os conflitos no Iêmen colocam os rebeldes xiitas, conhecidos como houthis, que tomaram o controle da capital Sanaa no ano passado, e unidades militares leais ao ex-presidente Ali Abdullah Saleh contra um conjunto de forças, incluindo separatistas do sul, milícias tribais, militantes islâmicos e partidários do presidente exilado Abed Rabbo Mansour Hadi.

Os sauditas começaram a intervir no Iêmen no último dia 26 de março, em apoio a Hadi, que está exilado na própria Arábia Saudita. A Arábia Saudita é o maior exportador de petróleo do mundo e faz fronteira com o Iêmen, cuja costa é uma importante rota para o mercado da commodity.

Apesar de quase três meses de ataques aéreos, as forças anti-houthis fizeram pouco progresso, além de capturar a cidade de Dhale, perto de Aden. Os confrontos já mataram pelo menos 1.412 civis e feriram outros 3.423, de acordo com dados da Organização das Nações Unidas (ONU). Fonte: Associated Press.