Um atentado suicida contra uma multidão que havia se reunido por causa de outra explosão momentos antes matou, nesta segunda-feira (10), pelo menos 28 pessoas em Bagdá, capital do Iraque. Outras 68 pessoas ficaram feridas nos atentados, informaram autoridades. As duas explosões – as mais violentas na capital em meses – ocorreram durante a hora do rush da manhã na região xiita de Kasrah, distrito de Azamiyah, na parte norte de Bagdá.

Segundo a polícia, a primeira explosão atingiu um microônibus que levava meninas para a escola. O segundo ataque ocorreu quando um extremista detonou um cinto com explosivos, no meio das pessoas que tentavam socorrer as vítimas. Segundo a polícia, não estava claro quantos morreram em cada um dos ataques.

O Ministério do Interior, que controla a polícia, afirmou que houve 28 mortos e 68 feridos. Uma checagem em quatro hospitais bagdalis indicou 29 mortos e alguns dos feridos em situação grave.

“Eu corri até o local e vi várias estudantes presas no ônibus e gritando por socorro. Nós tiramos as meninas do ônibus e levamos elas para os hospitais”, disse Abbas Fadhil, de 45 anos, que trabalha em um restaurante próximo do local dos atentados.

Nenhum grupo assumiu até agora a autoria dos atentados. Porém os ataques contra os civis xiitas têm a marca da Al-Qaeda no Iraque, que mantém ainda alguma presença em Bagdá, apesar das derrotas militares e de uma revolta sunita contra o terror desde o ano passado.

Baquba

Também nesta segunda, uma suicida atacou um posto de controle no centro de Baquba, a nordeste da capital, matando cinco pessoas. Entre as vítimas estava um líder local de um grupo sunita que se opunha a Al-Qaeda, segundo a polícia. Quinze outras pessoas ficaram feridas no incidente.