Autoridades belgas anunciaram nesta quarta-feira a detenção de pelo menos 31 pessoas suspeitas de envolvimento no cinematográfico roubo de US$ 50 milhões em diamantes ocorrido há três meses no aeroporto de Bruxelas.

Além das detenções, a polícia belga afirma ter provas de que uma carga de diamantes encontrada na Suíça faz parte do lote levado no roubo realizado em 18 de fevereiro, considerado um dos maiores crimes do gênero na história recente.

As prisões ocorreram em três países: Bélgica, França e Suíça. Um francês que teria participado ativamente do roubo foi detido na França, enquanto seis a oito suspeitos foram capturados em Genebra e 24 foram presos em Bruxelas e seus arredores. A polícia não detalhou de que forma todos os suspeitos participaram.

A polícia agiu depois de dois meses de investigações sobre a vida de parte dos suspeitos. As capturas dos suspeitos presos na França e na Suíça ocorreram ontem. Os demais foram presos hoje em uma operação da polícia belga que contou com a participação de 250 agentes e na qual foram executados 40 mandados de busca.

“Na Suíça, nós encontramos diamantes e já podemos dizer que fazem parte do lote roubado. Na Bélgica, encontramos grande quantidade de dinheiro. As investigações continuam”, declarou Jean-Marc Meilleur, porta-voz da promotoria pública belga. Carros de luxo também foram encontrados.

Meilleur forneceu escassos detalhes. Ele não revelou como a polícia concluiu estar no encalço dos suspeitos. As informações são da Associated Press.