O ex-primeiro-ministro da Itália Silvio Berlusconi declarou hoje que trabalhará nos próximos meses no Parlamento e em seu partido, o Povo da Liberdade (PDL), para preparar a próxima campanha eleitoral de 2013.

“O PDL está se preparando para a campanha eleitoral. Utilizaremos todos os meios de comunicação e intensificaremos a nossa presença nas redes”, assinalou o ex-premier em entrevista à imprensa italiana.

Berlusconi classificou seu ato de demissão como um “ato de generosidade”, uma vez que seu governo não saiu por pressão durante uma campanha eleitoral, nem com um voto de desconfiança do Parlamento, e tendo a confiança “absoluta e indiscutida no Senado”.

Ele acrescentou que, ainda que tivesse proposto à Câmara dos Deputados um voto de confiança em seu governo “seguramente teríamos tido a confiança”.     Sobre a proposta de reunião anunciara por Monti com a chanceler da Alemanha, Angla Merkel, e o presidente da França, Nicolas Sarkozy, Berlusconi atestou que sempre teve “ótimas relações com todos” e que “não mudará nada”.

Ao sair da Câmara dos Deputados após a aprovação do voto de confiança, o ex-premier afirmou que o novo governo “trabalhará de maneira a ser útil ao país durante todo o tempo que ficar”.

Ele ainda negou que tenha dito que o PDL decidiria a duração do novo governo e acusou a imprensa de ter inventado a declaração.