Os setores que se opõem ao governo de Evo Morales e apóiam a autonomia de Santa Cruz de la Sierra prevêem a aplicação imediata do estatuto autonômico que será submetido no domingo (4) a referendo, caso vença o "sim", através da pergunta feita aos eleitores.

"Você decide pela ratificação e colocação em vigor do estatuto do departamento autonômico de Santa Cruz, aprovado em 15 de dezembro de 2007 pela assembléia autonômica, para o qual de forma imediata será constituída a norma institucional básica do departamento, que será de cumprimento obrigatório a todos os que habitam e exercem a função pública no departamento?", pergunta a consulta popular aos moradores da região.

Para domingo estão habilitados a votar 935.527 pessoas, cem mil a mais do que no referendo nacional sobre autonomias de 2006, no qual Santa Cruz venceu com o "sim" de 71,1% dos votantes. Na ocasião, os autonomistas venceram também em Tarija, Beni e Pando, ainda que na escala nacional tenha vencido o "não", que era estimulado pelo presidente Morales.

Segundo a Corte Departamental Eleitoral, amanhã funcionarão 5.200 pontos de votação em todo o território, mas organizações camponesas anunciaram que impedirão o funcionamento das seções eleitorais localizadas no campo.

A segurança será feita por 22.000 "brigadistas", chamados formalmente de "voluntários", e teme-se que entre os convocados haja grupos armados considerados radicalizados, junto a 900 policiais civis.

Morales reforçou o número de policiais, mas "apenas para resguardar edifícios públicos e evitar atos de violência", pois o referendo é considerado ilegal.

O governo departamental ditou a partir de hoje o "auto de bom governo", que proíbe o consumo de bebidas alcoólicas e porte de armas, além de atos sociais públicos.

A consulta começará às 8h locais e as mesas eleitorais estarão abertas por no mínimo oito horas, ainda que poderão ser encerradas se todos os eleitores inscritos tiverem votado.

Santa Cruz, com 2,6 milhões de habitantes, é o segundo departamento com maior população da Bolívia, depois de La Paz, que tem 2,7 milhões, e é a região mais rica economicamente. A população total boliviana é de 9,6 milhões.