Auxiliados pela diminuição dos ventos, grupos de bombeiros lutavam hoje para conter o fogo na região de Atenas, na Grécia, mas as chamas continuavam avançando e ameaçavam novos edifícios. Os incêndios florestais começaram na sexta-feira e já queimaram 15 mil hectares quadrados de árvores e arbustos, além de causar prejuízos em centenas de casas, forçando milhares de pessoas a fugirem para zonas remotas. Pelo menos cinco moradores foram atendidos com queimaduras e várias dezenas tiveram problemas respiratórios. Nenhum teve queimaduras graves, segundo representantes do Ministério da Saúde.

Hoje, 17 aviões e helicópteros ajudavam no combate ao fogo perto de zonas povoadas. Ainda não é possível avaliar o estrago. As chamas continuavam no povoado costeiro de Nea Makri e perto de Maratón, a nordeste de Atenas, e em Vilia, a noroeste. Em Nea Makri, dezenas de freiras foram retiradas de um convento cristão ortodoxo ameaçado pelo fogo. Em outras áreas, moradores umedeciam suas casas na tentativa de evitar os estragos.

As autoridades ainda não sabem o que iniciou o fogo. Há dois anos, incêndios similares mataram 76 pessoas no país. A cada verão, centenas de incêndios florestais ameaçam a Grécia, muitos deles intencionalmente, às vezes iniciados por construtores ou pecuaristas tentando aumentar as áreas de pasto.