O governo do Brasil aceitou ajudar a Colômbia com a logística do resgate de seis reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), anunciou hoje o vice-ministro da Defesa, Jorge Enrique Bedoya.

“O governo do Brasil aceitou a solicitação do governo colombiano de participar do processo de libertação dos militares que estão há mais de uma década privados de sua liberdade”, informou Bedoya.

O vice-ministro acrescentou que “junto com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICR, na sigla em espanhol) e o Brasil, estamos atentos ao desenvolvimento do protocolo necessário” para o resgate dos sequestrados.

O grupo guerrilheiro divulgou, em duas etapas, os nomes dos reféns que serão libertados. Trata-se do cabo Luis Alfonso Beltrán, dos sargentos César Augusto Lasso e José Libardo Forero e dos subintendentes Carlos José Duarte, Jorge Trujillo e Jorge Humberto Romero.

Bedoya reiterou que o governo do presidente Juan Manuel Santos “vai fazer o que for necessário para que este processo aconteça o mais rápido possível” e pediu “que estas pessoas sejam libertadas sem show midiático”.

As Farc anunciaram há cerca de dez dias o adiamento, sem previsão de data, da libertação dos reféns, depois de Bogotá ter negado a participação de um país vizinho no resgate. Por esse motivo, diante do anúncio realizado hoje, espera-se um novo posicionamento das Farc.