O presidente norte-americano George W. Bush e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, não chegaram a um acordo sobre o projeto americano de instalar na Europa um sistema antimíssil depois de negociações que duraram cerca de sete anos. Foi o último encontro dos dois líderes como presidentes, já que Bush sai da Casa Branca em janeiro, e Putin será substituído em maio pelo recém-eleito Dmitri Medvedev.

As diferenças mais candentes podem não ter sido superadas. Putin disse que a atitude fundamental sobre o plano americano não mudou. Bush disse que ainda existe um longo caminho a seguir. Porém, o encontro dos presidentes hoje em Sochi, no Mar Negro, deixou como legado uma declaração assinada cujo tom geral é de entendimento e um clima de otimismo, motivado pela boa relação entre os dois líderes.

Bush e Putin, no texto oficial produzido após a reunião, afirmam que os dias de Guerra Fria são coisa do passado. E que, mesmo estando conscientes dos aspectos desarmônicos da relação, existe boa vontade na superação dos pontos de vista conflitantes. Porém, enquanto Bush ressaltou que entendimentos importantes foram realizados, Putin deixou claro que não houve um acordo significativo. Mas declararam estar abertos a estudar a criação de um sistema de defesa contra mísseis que tenha a participação equânime de EUA, Rússia e União Européia.