O presidente George W.Bush alterou a sentença do ex-assessor da Casa Branca Lewis "Scooter" Libby, condenado no inquérito sobre vazamento de identidade de uma agente da CIA. Bush livrou Libby de uma pena de prisão de dois anos e meio e hoje foi além, ao não descartar perdoá-lo e anular até o pagamento de uma multa de US$ 250 mil e dois anos de liberdade condicional. "Para o futuro, eu não descartei nada e não decidi nada," disse Bush, sobre um eventual perdão total a Libby.

O porta-voz da Casa Branca, Tony Snow, que falou um pouco antes de Bush, foi questionado se o vice-presidente, Dick Cheney, não fez uma forte pressão sobre a Casa Branca para Libby ficar livre da pena de prisão. Libby foi chefe de gabinete de Cheney e foi chamado várias vezes de "amigo" pelo vice-presidente. "Eu não tenho conhecimento direto se houve pressão. Mas sei que o presidente consultou outros funcionários importantes, que compartilham a sua visão," disse Snow.

Libby foi um dos principais responsáveis pelo vazamento para a imprensa da identidade da ex-agente da CIA Valerie Plame, cujo marido, o ex-embaixador Joseph Wilson, denunciou a manipulação de informações para justificar a invasão norte-americana ao Iraque. Divulgar identidade de agentes do serviço secreto é considerado crime nos Estados Unidos. O presidente norte-americano tomou a decisão ontem, horas após o anúncio de uma decisão judicial determinando que o ex-chefe de gabinete do vice-presidente Dick Cheney não poderia adiar mais o início de sua pena.

Bush não concedeu o perdão a Libby, mas modificou a sentença, por considerá-la muito severa. "Respeito o veredicto, mas concluí que a sentença foi excessiva. Portanto, estou comutando a parte da sentença que o manda passar 30 meses na prisão", disse o presidente, que manteve, não obstante, a multa de US$ 250 mil e o período de dois anos em liberdade condicional. O promotor especial Patrick Fitzgerald discordou da afirmação do presidente de que Libby recebera uma sentença excessivamente severa. "Libby foi sentenciado sob as mesmas leis que outros criminosos. É fundamental que as leis sejam válidas para todos os cidadãos.

O advogado do ex-assessor, Theodore Wells, disse em um comunicado que a família e os amigos de seu cliente estavam agradecidos pela decisão de Bush e continuava a acreditar em sua inocência. "É fantástico. Trata-se de um grande alívio", comemorou o ex-embaixador Richard Carlson, que ajudou a levantar fundos para financiar a defesa do acusado. Apesar da comutação que o livrou da cadeia, Lewis "Scooter" Libby, por não ter recebido o perdão, continua a ser o mais alto funcionário da Casa Branca a ser condenado desde o escândalo Irã-Contras.

A democrata Nancy Pelosi, presidente da Câmara, disse que a decisão de Bush mostra que o presidente é "condescendente com condutas criminosas". A pré-candidata democrata à presidência dos EUA, Hillary Rodham Clinton, acredita que a decisão de Bush de comutar a sentença de Libby foi tomada para preservar a Casa branca.