O dirigente opositor venezuelano Henrique Capriles se mostrou nesta segunda-feira esperançoso de que a Organização dos Estados Americanos (OEA) possa enviar uma missão de observação para as eleições legislativas de 6 de dezembro na Venezuela. O governador do Estado de Miranda disse que saía “satisfeito”, após uma reunião de duas horas com o secretário-geral da OEA, Luis Almagro, na sede do órgão multilateral.

“Há várias iniciativas em curso”, afirmou Capriles a jornalistas, sem dar detalhes. No mês passado, Almagro disse no Twitter que a OEA está disposta a se unir à observação eleitoral na Venezuela, caso o governo do presidente Nicolás Maduro aceitasse sua participação.

As autoridades venezuelanas não autorizaram recentemente a OEA a enviar observadores eleitorais, o que é indispensável, segundo os regulamentos do organismo.

Nesta segunda-feira, Maduro disse durante um ato em Miranda que setores da oposição pensam que, promovendo uma “guerra econômica” e ações de delinquência, a Venezuela poderia entrar em uma profunda crise que seria utilizada como desculpa para pedir a intervenção no país dos Estados Unidos e da OEA. O presidente acusou Capriles, sem fornecer provas, de ser o “articulador” dos grupos de delinquentes que estariam dispostos a criar o caos no país. Fonte: Associated Press.