Dois jovens morreram intoxicados por monóxido de carbono (gás gerado a partir de queima de combustível). O caso aconteceu na gelada Ufa, na república do Bashkortostan (Rússia). Artem S., de 18 anos, e Anna D., de 20, eram namorados.

Eles escolheram o carro da família de um deles para namorar e fazer sexo. O problema é que tanto tempo dentro do carro com o motor ligado para manter o ar condicionado funcionando, acabou por transformar a garagem fechada em uma armadilha fatal para os os garotos.

Na gelada Ufa a temperatura chega a 16 graus negativos. Artem e Anna foram encontrados nus abraçados. O caso comoveu a opinião pública e ganhou grande espaço nos meios de comunicação da Rússia.

Morte branca

Casos de mortes por intoxicação, a chamada morte branca, são comuns em lugares frios. O chefe do setor de Relações Públicas do Corpo de Bombeiros, tenente Eduardo Gomes Pinheiro, explica como isso acontece.

“O monóxido gera bloqueio do fornecimento de oxigênio ao corpo. Como o gás não tem cor nem cheiro, a pessoa não percebe que está sendo intoxicada. Ela vai sentindo sonolência, dor de cabeça, amortecimento do corpo e acaba desmaiando. Geralmente, por ter suas funções normais afetadas, não consegue pedir ajuda. Se não é socorrida rapidamente, acaba morrendo”.

A recomendação é fazer manutenção periódica em aquecedores de passagem e outros e arejar o ambiente para impedir a concentração de gases letais. No caso de veículos, jamais permanecer muito tempo no mesmo ambiente quando o motor estiver em funcionamento.