Centenas de moradores da região próxima a um vulcão no sul do Chile fugiram de suas casas ontem e passaram a noite ao relento depois que a montanha passou a cuspir lava e cinzas. As autoridades, no entanto, afirmam que não há necessidade de remoção em massa da população.

A diretora do escritório de emergências do governo chileno, Carmen Fernandez, informou que o estado de alerta segue em vigor na região do vulcão Llaima, 650 km ao sul de Santiago, mas que as áreas povoadas ainda não foram afetadas.

Ontem, autoridades retiraram 150 turistas e funcionários do Serviço Nacional de Florestas do Parque Nacional de Conguillo, onde fica o vulcão. Carmen disse que 53 pessoas continuam isoladas no parque, e serão retiradas de helicóptero.

Centenas de moradores da cidade de Melipeuco, próxima ao vulcão, deixaram suas casas e passaram ao noite ao relento ou em dois abrigos abertos pelo governo, mas as autoridades insistem que ainda não é preciso proceder uma retirada em massa da população.

O Llaima é um dos mais ativos dos vulcões chilenos, e teve sua última erupção em maio do ano passado. No entanto, não sofre uma grande explosão desde 1994.