Nikolai Baibakov, comissário de Petróleo e Gás do ditador Josef Stalin, morreu aos 97 anos. Ele também foi responsável por comandar a economia planificada da União Soviética por duas décadas.

Baibakov faleceu na segunda-feira (31) em decorrência de uma pneumonia. A informação foi divulgada pela empresa estatal de gás russa Gazprom. Ele era o último comissário de Stalin ainda vivo.

Além disso, foi aparentemente um dos últimos sobreviventes que assistiram ao chamado "discurso secreto" do líder soviético Nikita Khruchev. Na ocasião, Khruchev denunciou os crimes de guerra de Stalin, durante o congresso do Partido Comunista, em 1956.

Durante a Segunda Guerra Mundial (1939-45), Baibakov foi vice-comissário de petróleo. Em 1944, foi designado por Stalin comissário. Dessa função só saiu em 1985, afastado pelo último líder soviético, Mikhail Gorbachev.

Em uma entrevista de 1998 à revista Petroleum Economist, Baibakov recordou quando Stalin o informou, em 1942, que seria fuzilado se o Exército alemão se apoderasse dos poços de petróleo no Azerbaijão. Além disso, Stalin afirmou que ele seria também executado se, após o fim da guerra, os poços não pudessem ser reativados.

Baibakov conseguiu cumprir as duas missões. Em 1955, foi designado diretor da Gosplan, órgão encarregado de planificar a economia soviética. Ainda que tenha tido sucesso no plano energético, ele se descuidou na agricultura. Moscou se viu então forçada a comprar durante anos trigo dos EUA, do Canadá e de outros países para alimentar a população soviética.

"A economia soviética das décadas de 1960, 70 e, parcialmente, a de 80, foi criação de Baibakov", afirmou o ex-ministro da Economia da Rússia Andrey Nechayev, em entrevista ao jornal Rossiiskaya Gazeta.