O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse que seu partido obteve uma pequena margem de vantagem na votação total, nas eleições parlamentares de domingo no país. O Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) ficou com 59% das cadeiras na Assembleia Nacional, mas os opositores afirmaram que, no total, as forças contrárias a Chávez foram a maioria.

Ainda que isso não tenha impacto oficial nos resultados de domingo, os grupos de oposição argumentam que o voto popular nacional mostrou que o apoio a Chávez está em queda, por causa da criminalidade e dos problemas econômicos. A oposição afirma agora ter chances de derrotar o presidente nas eleições de 2012.

Em discurso ontem, Chávez disse que 5,4 milhões de venezuelanos optaram por candidatos chavistas, enquanto 5,3 milhões escolheram os oposicionistas. A oposição, baseando-se em suas próprias pesquisas, afirma ter recebido 52% dos votos, enquanto a situação teria ficado com 48%. Os resultados finais ainda não foram divulgados. “Sem dúvida, o governo teve uma importante vitória”, disse Chávez. “Mas os mágicos (da oposição) estão tentando revertê-la, não sejam enganados!”, afirmou o presidente.

Os 165 postos da Assembleia Nacional são determinados cada um por um distrito. Assim, um partido pode obter mais votos no total, porém ficar com menos cadeiras. A oposição acusa o governo de, com as alterações determinadas nos distritos antes das eleições, obter uma vantagem para ficar com mais vagas. Pela apuração oficial, o PSUV de Chávez obteve pelo menos 98 das 165 cadeiras, e a oposição ficou com 65 postos.

Os oposicionistas comemoraram, porém, o fato de os chavistas não mais possuírem dois terços da Assembleia Nacional. Com isso, não poderão mudar leis orgânicas e a Constituição sem precisar negociar. Os novos deputados assumem em janeiro.