O presidente venezuelano, Hugo Chávez, disse que ninguém deveria comemorar a morte do líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Manuel Marulanda. Além disso, Chávez lamentou nunca ter conhecido o guerrilheiro, apelidado de Tirofijo.

Chávez se referiu ao rebelde morto pela primeira vez durante um discurso televisionado, na quinta-feira (30). "É lamentável ver algumas pessoas felizes com a morte de alguém", disse. "Nós não estamos felizes com a morte de Manuel Marulanda", complementou.

"Lamento não ter me encontrado com Manuel Marulanda para falar sobre a paz", acrescentou. O líder venezuelano afirmou que gostaria de discutir com Tirofijo uma possível troca de reféns.

Chávez demonstrou mais uma vez desejo de cooperar com a Colômbia para obter a liberação de mais pessoas. Os rebeldes têm afinidade ideológica com o presidente venezuelano e liberaram seis reféns neste ano, entregando-os a funcionários venezuelanos.

Mas as relações entre os dois países estão tensas nos últimos meses. A Colômbia realizou uma operação militar no dia 1.º de março em território equatoriano, para matar o então número dois das Farc, Raúl Reyes. Houve vários protestos do governo venezuelano por causa dessa ação.

Além disso, Bogotá acusou recentemente Chávez de negociar a venda de armas e a transferência de fundos para os rebeldes. O venezuelano nega as acusações.

A morte de Marulanda, provavelmente por causa de um ataque cardíaco, foi confirmada por um vídeo divulgado no último domingo . Acredita-se que o líder guerrilheiro tinha 78 anos.