A queda de mais de 3 mil contêineres com produtos químicos tóxicos no rio Songhua não afetou a qualidade da água que abastece a cidade de Jilin, na província de mesmo nome, no nordeste da China, afirmou hoje uma funcionária do departamento de água da cidade. O material foi levado para o rio por causa das piores enchentes em mais de uma década no país. Parte do fornecimento de água para Jilin foi interrompido ontem para atividades de manutenção, informou a agência de notícias Xinhua, sem especificar se a medida foi tomada por causa dos produtos.

Trabalhadores começaram a retirar os barris – que contém um produto químico inflamável usado na fabricação de borracha e adesivo – que haviam caído no Songhua depois que a enchente invadiu uma fábrica local, informou a Xinhua. Funcionários da agência de proteção ambiental de Jilin e do departamento que cuida da qualidade da água se espalharam pela cidade para realizar testes de qualidade e verificar se havia vazamentos nos barris, informou a funcionária, que se negou a fornecer seu nome.

“Alguns moradores estão preocupados, mas ainda não encontramos qualquer vazamento nos barris, então eles não precisam se preocupar com a qualidade da água”, disse. O rio Songhua já registrou problemas ambientais antes. Em 2005, produtos químicos cancerígenos, incluindo benzeno, vazaram no rio, forçando a cidade de Harbin, no nordeste do país, a interromper o fornecimento de água por cinco dias para 3,8 milhões de pessoas.

Vítimas

As enchentes deste ano já provocaram a morte de pelo menos 928 pessoas, o desaparecimento de 477 e danos calculados em dezenas de bilhões de dólares, informou o Escritório Estatal de Controle de Enchentes e Prevenção de Secas. Mais chuvas fortes são esperadas hoje no sudeste e no nordeste do país. Cerca de 30 mil pessoas ficaram presas e sem energia elétrica em suas casas em Jilin depois que chuvas torrenciais inundaram a cidade de Kouqian, informou a Xinhua.

As enchentes atingiram áreas em toda a China. Milhares de trabalhadores colocaram sacos de areia nas margens dos rios para se prepararem para possíveis enchentes que devem atingir as áreas dos rios Yang-Tsé e Han, informou um funcionário da Comissão de Recursos Hídricos do Yang-Tsé, que identificou-se apenas por seu sobrenome, Zhang.

Em toda a China, um total de 875 mil casas foram destruídas, 9,61 milhões de pessoas foram retiradas de seus lares e 8,76 milhões de hectares de plantações foram destruídos após as enchentes deste ano, de acordo com informações oficiais. A pior enchente dos últimos anos na China ocorreu em 1998, quando 4.150 pessoas morreram, a maioria ao longo do Yang-Tsé.

Meteorologia

Embora o país enfrente fortes chuvas a cada verão, as enchentes deste ano são as piores em mais de uma década porque na bacia do rio Yang-Tsé, suscetível a enchentes, houve 15% mais chuva do que a média, disse Duan Yihong, diretor do Centro Nacional de Meteorologia, segundo uma entrevista transcrita publicada no site da Xinhua. “As chuvas devem começar a diminuir em agosto, mas é difícil prever exatamente quando isso vai acontecer”, afirmou. “Temos de ser vigilantes e monitorar de perto as condições climáticas, fazer uma previsão melhor.”