A China rejeitou as acusações de alguns países desenvolvidos segundo os quais o fracasso da reunião da Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre a Rodada de Doha ocorreu devido à sua resistência ao corte dos preços de alguns produtos agrícolas e à liberalização de alguns setores da economia.

O ministro do Comércio chinês, Chen Deming, declarou à agência de notícia oficial Nova China que “os maiores beneficiários do fracasso da reunião são os países desenvolvidos, que mantiveram grandes margens de ação com relação aos subsídios agrícolas”.

Segundo o ministro, “o trágico fracasso das negociações representa um duro golpe para a problemática economia mundial”.

“Diante de um enfretamento da economia, a inflação crescente e os iminentes riscos financeiros, o fracasso das negociações terá um impacto ainda maior sobre o delicado sistema do comércio mundial”, acrescentou.

Após nove dias, as negociações conduzidas em Genebra pelo diretor da OMC, Pascal Lamy, acabaram concluídas sem acordo.