Um memorando encontrado na lata de lixo em um bairro de Trípoli habitado por altos funcionários do regime de Muamar Kadafi mostra que a China ofereceu secretamente, em julho último, armas pesadas para o governo líbio, em uma aparente violação às sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU.

O memorando, de quatro páginas, encontrado por um repórter do jornal canadense Globe and Mail, narra uma visita a Pequim de funcionários da Autoridade de Suprimento, que comprava armas. Nela, a China oferece foguetes portáteis, lançadores de foguetes e mísseis antitanque fabricados por três empresas.

A única condição era de que as armas fossem entregues por meio da Argélia ou da África do Sul, para evitar que a China fosse flagrada. Omar Hariri, chefe do Conselho Militar do governo de transição, disse acreditar que elas foram entregues, já que armas novas estavam em poder das tropas de Kadafi.