Cinco soldados sírios foram mortos nesta terça-feira, em confrontos com desertores na instável província de Deraa, informou o Observatório Sírio pelos Direitos Humanos. Três outros soldados ficaram feridos, no confronto na madrugada na vila de Dael com um grupo de desertores, alguns dos quais também ficaram feridos, disse a organização não governamental.

Os disparos continuaram por várias horas, acrescentou o grupo. As tropas atacam Deraa, onde os protestos contra o regime do presidente Bashar Assad começaram em março passado. Na cidade de Homs, no centro do país, há um cerco de forças do regime há mais de três semanas.

Na segunda-feira, o observatório informou que mais de 100 pessoas foram mortas pela Síria, entre elas 11 membros das forças de segurança e 68 civis, no que o grupo sediado no Reino Unido qualificou como um “massacre” na província de Homs.

A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, pediu um imediato cessar-fogo para permitir a entrega da ajuda humanitária. Ela falou na abertura de um debate especial sobre Síria no Conselho de Direitos Humanos em Genebra.

Também nesta terça-feira, um ativista libanês confirmou que o fotógrafo britânico Paul Conroy foi levado à noite da cidade de Homs até o território do Líbano, cruzando ilegalmente a fronteira. Conroy foi ferido durante um bombardeio a Homs, na semana passada. O pai do fotógrafo confirmou à imprensa britânica que ele conseguiu escapar para o Líbano. As informações são da Dow Jones.