A coalizão de centro-direita que governa Portugal e conseguiu hoje mais quatro anos de mandato terá 100 dos 230 assentos do Parlamento português. A coalizão é liderada pelo Partido Social Democrata, do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho.

O Partido Socialista, liderado pelo ex-prefeito de Lisboa Antônio Costa, alcançou 80 vagas. Dois grupos que são radicalmente contra as medidas de austeridade – O Bloco de Esquerda e uma coalizão formada por comunistas e verdes – ficaram com um total de 34 assentos.

Com os resultados, a coalizão vencedora não terá a maioria absoluta do Parlamento, o que poderá resultar em instabilidade política no país, que ainda luta para superar seus problemas econômicos. Após a vitória, Passos Coelho disse que tentará fazer um acordo com os socialistas para implementar as medidas necessárias para a recuperação econômica.

Portugal estava à beira da falência durante a crise financeira da zona do euro e precisava de um resgate de 78 bilhões de euros em 2011. Os socialistas estavam no poder durante seis anos antes do início da crise, o que levou o partido a ser acusado de má gestão econômica. Cortes de gastos do governo de centro-direita e aumentos de impostos ajudaram a colocar Portugal em um recessão de três anos.

Mas este ano a economia está melhorando, e o atual primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, diz que austeridade está valendo a pena. A economia cresceu 1,5% no primeiro semestre deste ano em comparação com o mesmo período em 2014. O taxa de desemprego caiu de 17,7% em 2013 para 12,3% em julho deste ano. Fonte: Associated Press.