Ataques aéreos por uma coalizão militar liderada pela Arábia Saudita atingiu alvos na capital do Iêmen domingo, intensificando uma campanha de retaliação contra os rebeldes Houthi do país, após a morte de 60 soldados da coalizão em um ataque com foguete na última sexta-feira (4).

Os moradores locais e a agência de notícias Saba, controlada pelos houthis, informaram que houve dezenas de ataques em Saná, inclusive em bairros residenciais e em instalações militares. Moradores disseram que os ataques atingiram casas e áreas desabitadas. Não houve relatos imediatos de mortes.

Os ataques de retaliação vieram dois dias depois de um míssil terra-terra – que foi disparado pelos rebeldes, segundo um funcionário saudita – atingiu um depósito de munição em uma base controlada pela coalizão na província de Marib, região central do Iêmen, produzindo o mais alto número de baixas em um único dia para a coalizão desde o início da ofensiva, em março. Os mortos incluem 10 sauditas, cinco soldados do Bahrein e outros 45 dos Emirados Árabes Unidos, segundo o serviço de notícias estatal.

O confronto da coalizão militar contra os houthis começou em março. Os países aliados mandaram tropas terrestres para o Iêmen em julho, em um esforço para derrotar os rebeldes e restaurar presidente exilado Abed Rabbo Mansour Hadi ao poder.

Os houthis, que aderem ao Zaidi, braço xiita do islamismo, invadiram Saná em setembro do ano passado e tomaram o poder do país em fevereiro. Eles mantiveram o seu domínio sobre as maiores cidades do Iêmen nas fases iniciais da campanha aérea, mas a coalizão – liderada na região sul pelas forças armadas dos Emirados Árabes Unidos – recapturaram a cidade portuária de Aden em agosto, e desde então, tem tomado o controle de várias províncias vizinhas. Fonte: Dow Jones Newswires.