Madri – O Comitê Olímpico Espanhol (COE) decidiu nesta quarta-feira (16) retirar o projeto de incorporação de uma letra ao hino nacional da Espanha e não apresentá-lo para aprovação na Câmara dos Deputados.

A letra eleita para o hino "não une e provoca a rejeição na sociedade. A letra gerou controvérsia e em muitos casos rejeição. Seguimos com a intenção de colocar uma letra, mas retiramos a proposta", explicou o presidente do COE, Alejandro Blanco.

O COE, que apresentou na última sexta-feira a letra eleita pelo júri após esta ter vazado no dia anterior no jornal ABC, anulou também a festa de gala marcada para o próximo dia 21 na qual o tenor Plácido Domingo iria cantar música.

"O vazamento prejudicou muito a letra. Teria tido outro acolhimento caso tivesse sido apresentada por Plácido Domingo", comentou Blanco, que negou ter recebido pressões políticas.

Frente à petição de alguns esportistas, o COE decidiu no ano passado abrir um concurso para colocar uma letra no hino nacional, apenas instrumental, em colaboração com a Sociedade Geral de Autores da Espanha (SGAE).

A letra eleita entre as mais de 7 mil inscritas, não muito bem acolhida entre as classes políticas, foi escrita por Paulino Cubero, um desempregado de 52 anos, e diz: "Viva Espanha! Cantemos todos juntos com distinta voz e um só coração. Viva Espanha! Dos verdes vales ao imenso mar, um hino de irmandade. Ame à Pátria, pois sabe abraçar, sob seu céu azul, povos em liberdade. Glória aos filhos que à história dão justiça e grandeza, democracia e paz".

Theresa Zabell, duas vezes campeã olímpica de vela e integrante do jurado, assegurou que a letra lhe pareceu a melhor "pois não podia ofender a ninguém e por que tinha um ‘viva Espanha’ que, na opinião dos seis membros do jurado, tinha que ter".