Uma conferência internacional de doadores levantou neste domingo US$ 850 milhões para projetos que visam a garantir a segurança de quase 3 milhões de pessoas desabrigadas durante a guerra em Darfur. A iniciativa, realizada em Cairo, foi encabeçada pelas 57 nações que compõem a Organização da Conferência Islâmica (OCI), e também inclui representantes dos Estados Unidos, da Europa, das agências da ONU e de grupos de ajuda.

O Egito informou que a conferência destacou a importância de se alcançar a paz e a estabilidade na região. “A grande participação e as promessas feitas refletem a ampla extensão do compromisso internacional e desejo em sustentar a paz e a estabilidade em Darfur”, disse Ahmed Aboul Gheit, ministro de Relações Exteriores do país, lendo o comunicado final da reunião. “O desenvolvimento em Darfur é a garantia real para ajudar os refugiados a voltar para suas casas”, acrescentou Aboul Gheit.

Os maiores doadores neste domingo foram Brasil, o Banco de Desenvolvimento Islâmico, Qatar e Turquia. Outros prometeram centenas de milhões de dólares para financiar projetos.

O combate em Darfur, que começou com uma rebelião em 2003 de grupos que acusavam o governo de negligenciar a província oeste, enfraqueceu no final do ano passado e negociações de paz estão em andamento no Qatar. Muitos dos que ficaram desabrigados ainda vivem em acampamentos e o futuro deles é uma das principais questões não resolvidas. Cerca de 300 mil pessoas foram vítimas da violência, de doenças e do desalojamento.

O secretário-geral da OIC, Ekmeleddin Ihsanoglu, disse a repórteres depois da reunião que os Estados Unidos, os países europeus, a Austrália e o Japão garantiram generosa contribuição e prometeram contínuo suporte ao povo de Darfur.

Segundo Aboul Gheit, a quantia levantada e prometida será usada para projetos de desenvolvimento financeiro quando a paz prevalecer na região e todos os grupos rebeldes chegarem a um acordo com o governo sudanês.