Pelo menos 21 pessoas morreram e seis ficaram feridas ontem durante um confronto entre supostos narcotraficantes e traficantes de imigrantes ilegais no Estado de Sonora, no norte do México, a 20 quilômetros da fronteira com os Estados Unidos, informaram autoridades.

Policiais que chegaram à zona detiveram nove pessoas, supostamente integrantes de grupos rivais, informou a procuradoria de Justiça de Sonora em comunicado. Seis foram feridas por armas de fogo. Além disso, autoridades confiscaram oito veículos e sete armas.

O confronto ocorreu em uma estrada vicinal entre as cidades de Tubutama e Sáric, em uma zona usada como corredor de imigrantes e drogas, quase dois mil quilômetros a noroeste de Cidade do México.

As quadrilhas costumam disputar as rotas do tráfico e às vezes roubam “carregamentos” de ilegais de outras quadrilhas, mas poucas vezes houve batalhas campais como esta. A procuradoria informou que autoridades estaduais interrogam os presos, mas não divulgou o possível motivo do enfrentamento.

Em Ciudad Juárez, em outra parte da fronteira com os Estados Unidos, um comando armado emboscou e assassinou a subprocuradora do Estado de Chihuahua, também no norte do México. O ataque ocorreu na noite de quarta-feira. Além de Sandra Ivonne Salas García, foi morto um guarda-costas dela e outro ficou ferido, informou ontem um porta-voz do Judiciário mexicano. Sandra tinha a atribuição de avaliar o trabalho dos promotores que integram unidades especializadas de investigação em Chihuahua.

Ciudad Juárez, 1.500 quilômetros a noroeste da capital mexicana, é a localidade com mais assassinatos vinculados ao crime organizado desde que o presidente Felipe Calderón lançou, em dezembro de 2006, uma ofensiva contra os cartéis de drogas. O último informe do governo federal sobre o número de mortes pelo crime organizado, entregue ao Senado em abril, afirma que houve mais de 22.700 assassinatos no país, mais de 4.300 deles em Ciudad Juárez, fronteiriça com El Paso, no Texas.