Combates e a explosão de uma bomba mataram 17 rebeldes e três soldados em dois dias de violência no norte do Sri Lanka, informou o Exército neste sábado (3). As tropas combatiam membros do Exército de Libertação dos Tigres do Tamil Eelan (LTTE). Houve um confronto na manhã deste sábado (3), no distrito de Mannar. Durante o incidente, seis guerrilheiros foram mortos, segundo um funcionário do Ministério da Defesa, que falou sob condição de anonimato.

Alguns tiroteios no mesmo distrito do norte mataram na sexta-feira (2) dez rebeldes e dois soldados. Em Welioya, um rebelde tâmil foi morto e outras 13 pessoas feridas, entre elas quatro soldados. O porta-voz dos rebeldes não comentou a situação neste sábado. Não é possível verificar de forma independente as informações, pois a imprensa não tem acesso às regiões de floresta do norte do país, em que acontecem os confrontos.

A organização Anistia Internacional criticou o fato de a cobertura da imprensa da guerra no Sri Lanka ter sido na prática silenciada, por causa das restrições e da violência. O governo afirma que realiza uma ação para tomar a região controlada pelos rebeldes, no norte do país, até o fim do ano. Mas diplomatas e outros observadores apontam que o Exército enfrenta mais resistência que a esperada.

O LTTE luta desde 1983 por um território independente para os tâmeis. A etnia é marginalizada há décadas por governos dominados pela maioria cingalesa. Mais de 70 mil pessoas morreram nesse conflito.