A biodiversidade brasileira é bastante grande e, a cada ano, novas espécies de plantas e animais são descobertas. Na opinião da bióloga Gisele Sessegolo, da Ecossistema Consultoria Ambiental, de Curitiba, isto demonstra o quanto a ciência ainda desconhece o ecossistema brasileiro.

Só no século XX, foram descobertas muitas espécies de invertebrados e mesmo vertebrados, como o macaco sauá (Callicebus bernhardi, Callicebus stephennasui), na região amazônica, o mico-leão dourado (Leontopithecus rosalia) e o bicudinho-do-brejo (Stymphalornis acutirostris), ambos no Paraná.

Nos últimos dois anos, em trabalhos na floresta amazônica e no Estado da Bahia, equipes da Ecossistema Consultoria encontraram espécies de invertebrados, peixes e morcegos. Algumas eram ainda desconhecidas dos cientistas. Outras, foram encontradas em locais distintos dos quais eram consideradas endêmicas.

?As descobertas que surgem a cada ano indicam que ainda faltam pesquisas que possibilitem a ampliação do conhecimento da biodiversidade existente no Brasil?, explica a bióloga. ?O maior investimento em estudos é essencial para a coexistência futura das espécies com o ser humano?.

Segundo a bióloga, o total conhecimento da biodiversidade existente é muito importante para a elaboração de políticas públicas eficientes de conservação. Muitas vezes, é possível encontrar novas espécies (de fauna e flora) mesmo em locais considerados bastante degradados. Porém, não é possível saber por quanto tempo as espécies irão sobreviver a tantas mudanças. Daí entra a necessidade de criação de programas de preservação.