Uma corte distrital da Coréia do Sul condenou nesta quarta-feira (17) a atriz Ok So-ri a oito meses de prisão por adultério. Ela admitiu a culpa e ficará em liberdade condicional por dois anos. A corte também puniu o suposto amante de Ok, um cantor, que ficará em condicional de seis meses, segundo a agência de notícias Yonhap.

Meses antes, a atriz de 40 anos tentou sem sucesso alterar a legislação que criminaliza os relacionamentos fora do casamento por considerar isso uma invasão de privacidade. Porém, em outubro a Corte Constitucional manteve a punição para os adúlteros, uma lei prevista no código penal do país vigente há 55 anos.

A Coréia do Sul permanece bastante conservadora e é influenciada pela herança confucionista, apesar de décadas de relações com o Ocidente. Os defensores da punição ao adultério argumentam que a lei promove a monogamia e mantém as famílias unidas. Para os críticos, porém, os juízes não devem ter o direito de interferir na vida particular das pessoas.

O número de processos por adultério caiu no país nos últimos anos, de 12.760 no ano 2000 para 8.070 em 2006. Perto de 80% desses casos são arquivados antes das acusações formais serem formuladas, sobretudo porque as reclamações são em seguida retiradas.