O número dois da rede terrorista Al-Qaeda, o médico egípcio Ayman al-Zawahri, afirmou nesta sexta-feira (14), numa nova fita de áudio divulgada na internet, que a conferência de paz para o Oriente Médio realizada no mês passado nos Estados Unidos foi uma "traição" aos palestinos. Foram os primeiros comentários da rede terrorista sobre a conferência.

Patrocinada pelo presidente dos EUA, George W. Bush, a conferência relançou as conversações de paz entre Israel e os palestinos após sete anos e contou com a participação de estratégicos países árabes, como a Arábia Saudita, Síria e Egito assim como dos líderes palestino e israelense.

"O encontro de Annapolis foi realizado para transformar a Palestina num Estado judeu", disse ele numa na fita de 20 minutos divulgada hoje num site militante islâmico. "O czar de Washington convidou 16 países árabes (…) para se sentarem em uma sala, à mesa com os israelenses", afirmou al-Zawahri. "A conferência testemunhou os traiçoeiros acordos para vender a Palestina".

Al-Zawahiri dirigiu a maior parte de seus comentários aos árabes exortando-os a condenar a conferência de Annapolis e rotulando o presidente palestino, Mahmoud Abbas, de "traidor". Chegou o momento, para ele, de os muçulmanos "estenderem a mão para outros irmãos de jihad" – uma provável referência a militantes fora do Oriente Médio.

"Meus irmãos na Palestinas, nós, todos os muçulmanos, os mujahedin estão do nosso lado, em nosso confronto com o inimigo sionista", disse al-Zawahiri. "Não os decepcionaremos mesmo que seus políticos o façam".

Al-Zawahiri – tido por especialistas antiterroristas como o verdadeiro chefe de operações da Al-Qaeda, mais do que Osama bin Laden – desempenha um grande papel na definição da estratégia de ação da rede e freqüentemente divulga vídeos e fitas de áudio apresentando sua linha doutrinária.