Mais de 35 deputados do governista Partido Socialista firmaram uma petição solicitando uma reunião de emergência dos membros da situação no Parlamento, nesta quinta-feira, quando muitos deles questionarão se o primeiro-ministro George Papandreou pode continuar no posto.

“Neste momento, o partido está dividido”, afirmou uma graduada fonte da sigla próxima a Papandreou. “O partido ouvirá o primeiro-ministro esta tarde. Há vários deputados que questionam abertamente sua liderança. Eu devo dizer a você que é difícil tirar Papandreou, e isso provavelmente não ocorrerá. Mas ele terá de trabalhar para restaurar a unidade.” Um porta-voz do governo não retornou os pedidos de comentários sobre o tema.

A crise partidária começou hoje com a renúncia de dois deputados do Partido Socialista, os quais argumentaram que um governo de partido único não é capaz de lidar com os grandes problemas da dívida grega e discordaram da política econômica do primeiro-ministro. Com pouco mais da metade dos 300 postos no Parlamento, os Socialistas não podem ter muitas outras deserções.

A reunião de emergência é convocada no momento em que Papandreou tenta reformular seu gabinete. “A reformulação ocorrerá mais provavelmente após a reunião. Além de tudo, há problemas para se encontrar um novo ministro de Finanças”, relatou a autoridade partidária.

Mais cedo, o socialista George Floridis, candidato a suceder o ministro das Finanças, George Papaconstantinou, renunciou como deputado criticando a política econômica do governo como errada e injusta. Floridis representava os governistas no debate parlamentar para uma nova rodada de medidas de austeridade, um pré-requisito para a Grécia conseguir um novo pacote de ajuda da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI). O outro a renunciar foi o deputado Ektoras Nasiokas, também discordando da atual política econômica. As informações são da Dow Jones.