A luta entre um grupo armado e a polícia de Macedônia neste fim de semana deixou 22 pessoas mortas. A disputa teve como objetivo desestabilizar o país com ataques terroristas, declarou o presidente do país neste domingo, em uma emissora de televisão.

O presidente George Ivanov falou após uma reunião de emergência do Conselho de Segurança Nacional da Macedônia na capital, Skopje. Ele encurtou sua visita para a Rússia, no sábado, dia em que os confrontos armados começaram no norte da cidade de Kumanovo.

“A polícia impediu ataques terroristas coordenados em diferentes locais no país, que poderiam causar grave desestabilização, caos e medo”, Ivanov disse. “Os membros do grupo são extremistas e criminosos com notável formação e competência militar. É por isso que pagamos um preço tão alto, com a perda de vidas.”

Os ataques deixaram pelo menos 22 pessoas mortas, incluindo oito policiais e 14 atacantes, disse o porta-voz do Ministério do Interior, Ivo Kotevski.

O governo macedônio declarou dois dias de luto para os mortos nos confrontos. Bandeiras estavam voando a meio mastro e eventos desportivos e reuniões políticas foram cancelados.

O primeiro-ministro Nikola Gruevski disse a repórteres que o grupo de mais de 40 homens armados tinha planejado atacar as instituições do Estado, eventos esportivos e shopping centers e que eles tinham experiência de combate, tanto na região e no Oriente Médio. Ele disse que o grupo não foi apoiado por membros da etnia albanesa da Macedônia.

A Macedônia enfrenta a mais grave crise política desde sua independência da antiga Iugoslávia, em 1991. Governo e oposição se acusam de incentivar a desestabilização do país. Kumanovo fica perto da fronteira com Kosovo e Sérvia. A região foi palco de hostilidades entre rebeldes de origem albanesa e forças do governo durante os conflitos étnicos de 2001.