Documentos recém-divulgados que, segundo o governo da Colômbia, são parte do material recuperado no laptop do ex-líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) Raúl Reyes, indicam que o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, financiou e armou os rebeldes colombianos.

Os documentos são mais de uma dezena de mensagens internas dos rebeldes. Eles detalham vários anos de estreita cooperação entre os militares venezuelanos e as Farc.

Na próxima semana, a Interpol divulgará um relatório sobre o tema. O governo colombiano espera que essa investigação dissipe qualquer dúvida sobre a autenticidade do material.

Chávez diz que os textos são uma fraude. O líder venezuelano nega ter armado ou financiado as Farc, apesar de simpatizar abertamente com o grupo. Chávez já qualificou o governo colombiano, liderado pelo presidente Álvaro Uribe, de ser um peão dos Estados Unidos.

"Isso é algo louco", disse o embaixador da Venezuela nos EUA, Bernardo Alvarez. "O assunto é como um filme", ironizou.

Vários dos documentos tratam de esforços do chefe da inteligência militar venezuelana, general Hugo Carvajal, e de outros membros das Forças Armadas do país para auxiliar as Farc a obter armas. Entre elas, aparentemente estariam mísseis antiaéreos. Segundo os papéis, Chávez teria oferecido às Farc em empréstimo de US$ 250 milhões (R$ 420 milhões) no ano passado

Os novos documentos foram encontrados durante uma operação realizada pela Colômbia em território equatoriano, em 1.º de março. Na ocasião, Raúl Reyes, então número dois das Farc, foi morto. Além dele, outras 24 pessoas morreram no ataque.

Funcionários colombianos afirmaram em seguida ter encontrado os documentos em laptops dos guerrilheiros. A operação gerou uma crise entre Bogotá e Quito, por causa da invasão territorial.