Os proprietários do semanário Charlie Hebdo planejam reinvestir a maior parte dos lucros da publicação satírica francesa, buscando dirimir um conflito que surgiu após o ataque terrorista contra a redação em janeiro.

Editor-chefe e um dos dois acionistas sobreviventes, Laurent Sourisseau disse que todos os lucros de 2015 serão reinvestidos na empresa. A companhia também deve mudar seu status, para assegurar que sempre reinvestirá pelo menos 70% de seu lucro, disse ele. “Nós queremos dar garantias às pessoas sobre o uso dos lucros”, disse Sourisseau, que assina cartuns sob o pseudônimo de Riss. “Nós manteremos 100% dos lucros na companhia neste ano, não haverá nenhum dividendo aos acionistas.”

A redação sofreu um atentado em 7 de janeiro, que deixou 12 mortos. Depois disso, as vendas da publicação dispararam. Muitos na equipe pressionavam os donos para desistir de suas ações e colocar o jornal na mão de todos os funcionários, algo que foi rejeitado na ocasião por Sourisseau e pelo número 2 da redação, Gerard Biard.

O repórter Laurent Léger, que pressionava pela cooperativa, disse estar satisfeito com o compromisso dos acionistas de não pagar nenhum dividendo neste ano. Segundo ele, os acionistas prometeram discutir em setembro uma maneira de incluir representantes da equipe na tomada de decisões sobre a publicação. Fonte: Associated Press.