Sirenes antiaéreas voltaram a soar hoje em Tel Aviv em meio à escalada da tensão entre Israel e as milícias palestinas na faixa de Gaza. Uma explosão foi ouvida logo depois. O grupo Hamas, que controla Gaza, reivindicou o lançamento de um foguete contra a capital israelense. Dados preliminares dão conta de que um segundo foguete atingiu o subúrbio. Não houve danos ou vítimas.

O chefe-de-gabinete israelense, Gilad Eldan, disse que “até o premiê [Binyamin] Netanyahu correu para um abrigo”. É a segunda vez que militantes palestinos tentam atacar Tel Aviv desde o início, na quarta-feira, de uma operação do Exército de Israel batizada de Pilar Defensivo. Ontem pelo menos um foguete foi lançado na direção de Tel Aviv e caiu no mar. Foi a primeira vez que os alarmes antiaéreos soaram na capital desde a Guerra do Golfo, em 1991.

Israel anunciara que realizaria um cessar-fogo, na manhã desta sexta-feira, em respeito à visita do premiê egípcio, Hisham Qandil, a Gaza. Entretanto, ambos os lados trocaram acusações de desrespeito à trégua e mantiveram os ataques.

Na visita, o premiê demonstrou total apoio ao governo do Hamas e chegou a visitar um hospital, onde fez questão de carregar o corpo ensanguentado de uma criança supostamente morta por um ataque israelense. Israel mantém um tratado de paz com o Egito, mas o governo do presidente Mohamed Mursi, eleito depois da deposição do ditador Hosni Mubarak, é tido como partidário do Hamas.

No Cairo, Mursi, disse que os ataques de Israel são “uma agressão flagrante contra a humanidade” e que “não deixará Gaza sozinha”. “O Egito de hoje não é o de ontem, e os árabes de hoje não são os de ontem”, disse, segundo a agência de notícias estatal Mena.

Durante a madrugada, Israel manteve o bombardeio aéreo pesado contra Gaza, no terceiro dia consecutivo da operação batizada Pilar Defensivo. Um dos alvos foi o prédio onde opera o Ministério do Interior do governo do movimento radical islâmico Hamas. Conforme as autoridades palestinas, mais duas pessoas morreram, o que eleva o total de mortos a ao menos 20, desde quarta.

Do lado israelense, foram três mortes decorrentes do lançamento de um foguete, na manhã de quinta.