A Embaixada dos Estados Unidos em Bagdá está aumentando a segurança e retirando alguns funcionários da capital iraquiana, tendo em vista a ameaça representada por militantes islâmicos que ampliaram a presença em todo o país.

Como militantes islâmicos lutaram para consolidar seu controle sobre cidades-chave iraquianas fora da capital, o Departamento de Estado norte-americano informou no domingo que aumentaria a segurança na Embaixada dos EUA em Bagdá. Os EUA também estão planejando transferir algumas pessoas do corpo diplomático para os consulados em Basra e Erbil, partes do país atualmente consideradas mais seguras do que Bagdá, e para a Jordânia.

A porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Jen Psaki, disse que a “maioria substancial” dos funcionários da Embaixada dos EUA permaneceriam no trabalho. Cerca de 5,5 mil pessoas trabalham no complexo na Zona Verde, que tem sido alvo de grandes ataques desde que os EUA assumiram o controle da área durante a invasão de 2003, liderada pelos norte-americanos.

Fonte: Dow Jones Newswires