O emir do Kuwait, xeque Sabah al-Ahmad al-Sabah publicou nesta terça-feira um decreto dissolvendo o Parlamento, informou a televisão estatal, citando uma “ameaça aos interesses supremos nacionais”. “Um decreto do emir foi emitido para dissolver a Assembleia Nacional”, informou a emissora.

A medida marca a quarta vez, em menos de seis anos, em que o emir dissolve o legislativo do país. A decisão foi tomada uma semana após o emir ter aceitado a renúncia do ex-primeiro-ministro xeque Sheikh Nasser Mohammad al-Ahmad Al-Sabah, integrante da família que governa o país, após grandes protestos liderados por jovens ativistas.

Pela lei do país, novas eleições gerais devem ser realizadas no prazo de 60 dias. Outro decreto deve ser emitido em breve para estabelecer a data do pleito.

Na semana passada, o emir nomeou o ex-ministro da Defesa, xeque Jaber Mubarak al-Sabah, como o novo premiê. Foi ele quem liderou a reunião de gabinete nesta terça-feira que recomendou a dissolução do Parlamento.

A renúncia do ex-primeiro-ministro ocorreu após uma campanha de jovens ativistas e parlamentares opositores por sua saída em razão de acusações de corrupção.

A campanha se intensificou em agosto após um escândalo de corrupção envolvendo 15 dos 50 parlamentares que teriam aceitado grandes depósitos em suas contas bancárias. Segundo a oposição, os valores chegaram a US$ 350 milhões.

O Kuwait é o terceiro maior produtor de petróleo da Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep), com produção de cerca de 3 milhões de barris por dia. As informações são da Dow Jones.