O Twitter anunciou nesta segunda-feira (25) que aceitou a oferta do empresário sul-africano Elon Musk e que a empresa de mídia social será vendida por US$ 44 bilhões – dessa forma, deixará de cotar na Bolsa de Valores.

Em poucas semanas, Musk, CEO da Tesla e da SpaceX e o homem mais rico do mundo, se tornou um dos maiores acionistas do Twitter, recusou um assento no conselho da empresa e depois apresentou uma oferta para comprá-la, que acabou aceita.

LEIA TAMBÉM:

>> Curitiba distribui mudas nativas gratuitamente para plantio legalizado

>> Brasil tem a 3ª gasolina mais cara em lista de países que considera poder de compra

“O conselho do Twitter conduziu um processo cuidadoso e abrangente para avaliar a proposta de Elon com foco deliberado em valor, certeza e financiamento [Musk havia obtido US$ 46,5 bilhões em financiamento para adquirir a empresa]”, afirmou o presidente do conselho independente do Twitter, Bret Taylor, em comunicado reproduzido pela CNN.

Ele ponderou que o acordo seria “o melhor caminho a seguir para os acionistas do Twitter”.

Na carta em que havia feito a oferta ao Twitter, Musk havia argumentado que acredita “no seu potencial para ser a plataforma para a liberdade de expressão em todo o mundo, e acredito que a liberdade de expressão é um imperativo social para uma democracia em funcionamento”.

“No entanto, desde que fiz meu investimento, agora percebo que a empresa não prosperará nem atenderá a esse imperativo social em sua forma atual. O Twitter precisa ser transformado em uma empresa privada”, acrescentou.

Web Stories

Carreira

Start ups curitibanos que estão inovando o mercado

Além da Ilusão

Letícia tem um mau pressentimento com o marido

Quanto Mais Vida, Melhor

Tigrão pede que Neném vá atrás de Rose

Novidades!

Filmes e séries que chegam à Netflix nesta semana